Horário de Atendimento
Segunda à Sexta | das 07h30 às 11h30 | das 13 às 17h
Rua Arlinda Lopes Dias, 550 - Centro
Fone: (67) 3468-1313

Início Transparência Brasil

Vicentina recebe investimentos para obras que vão abrigar novas empresas e 250 postos de trabalho
Vicentina recebe investimentos
O governador Reinaldo Azambuja assinou convênio com a prefeitura de Vicentina nesta terça-feira (26.5) para a construção de três barracões que vão abrigar novas empresas que irão investir no município.

A ação integra o pacote de investimentos da administração estadual previstos no programa Governo Presente e o recurso para a obra será utilizado do Fadefe (Fundo de Apoio ao Desenvolvimento Econômico e Equilíbrio Fiscal do Estado), confirmando o retorno dos impostos pagos por empresas instaladas em Mato Grosso do Sul em investimentos na industrialização.

A expectativa do município é de que sejam criados 250 postos de trabalho, contribuindo para o fortalecimento da economia municipal. De acordo com o prefeito Marquinhos do Dedé, as três empresas já foram mapeadas e têm interesse em se instalar no município, sendo uma indústria alimentícia de fabricação de pães, um atacarejo e uma de fertilizantes.

O secretário de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar, Jaime Verruck, destaca que a diversificação da economia e a interiorização dos investimentos são fundamentais para o desenvolvimento econômico do Estado. “Estamos utilizando recursos do Fadefe, que é a maneira de retornarmos para o setor os investimentos feitos em Mato Grosso do Sul”.

A assinatura também contou com as presenças dos secretários especial de Articulação Política, Sérgio de Paula, e de Governo e Gestão Estratégica, Eduardo Corrêa Riedel. “Continuamos trabalhando e definindo uma estratégia segura para a retomada da nossa economia. Todo esse processo começa com apoio a investimentos e a manutenção dos programas que vão impulsionar a geração de emprego e renda em Mato Grosso do Sul, sem comprometer o conjunto de bons resultados conquistados pelo estado até agora”, explicou Riedel.